quarta-feira, 26 de abril de 2017

...e sou assim mesmo.
Se me cativas, estou em suas mãos. 
Se me esqueces, escorro pelos dedos. 
Posso nunca ser sua completamente. 

Mas serei, sempre, minha.

segunda-feira, 30 de janeiro de 2017

Perdi a razão,
Hoje sou só querer.
Eu quero você.

terça-feira, 6 de setembro de 2016

Não tendo nada além de si mesmo, notou se dono de uma grande riqueza. "Si".

sábado, 3 de setembro de 2016

A cidade está infestada.
De ratos e de mentiras.
A fumaça cobre os olhos. E o fogo vem do coração.
Não há paz, não há sossego. Não há perdão.
Saudades que andam, falam e moram em algum lugar.
Orgulhos vivos e vividos. 
A cidade já não é mais como antes. 

sábado, 27 de agosto de 2016

É só falar com você que um lado meu, que morreu, já quer viver. 
E o mais engraçado é que, o lado que ainda é vivo, morre aos poucos. 
O coração bate.
Sem ti
Senti
Sem ti
Senti
Sem ti
Senti. 
E não bate. Nada. 

segunda-feira, 18 de julho de 2016

17 de julho

Acaba, enfim, afim de começar.
Começo do fim. 
Começo do meu fim.
Pois se recomeçar, que venha meu começo. Mas o começo do começo. 
Mudado, enfim. 
Não quero o resto do fim. Não quero que volte. Quero que revolte e seja sem fim. 
Completamente em mim. Pra mim. E fim. 

segunda-feira, 11 de julho de 2016

Nua

Quem seria meu amigo hoje?
Para desfazer o peso e derramar um pouco da suspeita opinião que me dei conta.
Para compartilhar o medo, apreensão. Um Pinot Grigio. Dois Carménère.
Quem poderia entender o que se passa, porque não passa? Ficou e se alojou.
O que viria a ser essa explicação esdrúxula da realidade que não deixa de ser irreal. Surreal. Desprovida de provas. Argumentação abstrata.
Quem poderia olhar comigo na mesma direção, rir, entender a satira de Van Goghzar o céu a noite e se deliciar em cada nota, tom e semi tom de Edith?
O que vem a ser o bem-estar compartilhado à dois? E por que se faz tão necessário em mim?
Hoje, sendo alva, talvez me entenda. Talvez compreenda. Repreenda. Mas seja!
Podemos tagarelar, descompassar no tango e exigir um pouco mais de Caetano.
Vamos nos dar a liberdade de ser e ouvir, o que quer que seja.
Compreender e discutir algumas dessas verdades incompreendidas, profundas, do universo.
Ter certeza de que o céu é um mar, a lua um navio a navegar e as estrelas, os viajantes perdidos.
Voce saberia? Você seria? Conseguiria?